A Microsoft tem um futuro melhor na computa√ß√£o m√≥vel com o Windows em …

A Microsoft tem um futuro melhor na computação móvel com o Windows em ...

Os boatos sobre uma superfície com um processador ARM têm fãs entusiasmados e céticos. Essa não seria a primeira dança da Microsoft com o ARM, nem mesmo o seu primeiro computador Surface, baseado em ARM. Em quase todos os casos desde a primeira superfície, o Windows no ARM acabou sendo uma decepção.

√Č quase como se os deuses da computa√ß√£o estivessem enviando √† Microsoft uma mensagem n√£o t√£o sutil para ficar com a Intel e ARM ou, em geral, a arquitetura x86 / 64. Essa pode ser a sa√≠da mais f√°cil, mas n√£o vai durar muito. Para melhor ou pior, e a Intel certamente n√£o vai gostar, a Microsoft precisa mudar o c√©u e a terra para que o Windows funcione perfeitamente no ARM, porque seu futuro ser√° mais promissor do que em uma plataforma de hardware que mostre idade e limites.

Um passado doloroso

A Microsoft teve uma história bastante colorida com a plataforma ARM ultimamente, e isso está falando gentilmente. Após seu tempo no Windows CE, não teve muita sorte com os dispositivos ARM, seja com os telefones Nokia / Lumia com Android ou, mais relevante, com os tablets 2 em 1 com base em ARM. Isso vale para o primeiro Surface com Windows RT e o Windows mais recente no Snapdragon da HP e ASUS.

O problema da Microsoft com o Windows no ARM sempre foi duplo. Por um lado, há o desempenho do próprio Windows em uma plataforma na qual não foi projetado para rodar. Em outras palavras, foi tragicamente decepcionante em comparação com as promessas de mobilidade e longevidade que a Microsoft e até a Qualcomm fizeram.

O outro lado da moeda √© o software executado nesses dispositivos. O mundo do Windows sempre foi o x86 e o ‚Äč‚Äčsoftware que √© executado nele. Mudar para o ARM significa deixar para tr√°s os motivos pelos quais as pessoas ainda usam o Windows ou tentar dar suporte a execut√°-los em uma plataforma alien√≠gena. Nenhum dos cen√°rios terminou bem.

Sempre ligado, sempre conectado, sempre em todos os lugares

Se é difícil fazer com que o Windows e o software Windows funcionem no ARM de maneira aceitável, por que a Microsoft deveria se preocupar? Não se engane, a arquitetura x86 provavelmente nunca desaparecerá por muito tempo, mas, nos próximos anos, os dispositivos baseados em ARM estarão dominando o mercado de computação. Considerando como os smartphones superam os PCs, tanto os desktops quanto os laptops, esse já é o caso.

Os pontos fortes dos processadores ARM foram repetidos várias vezes. Sua eficiência de energia permite que os dispositivos estejam sempre ativados ou, pelo menos, acordem extremamente rápido do sono. Eles também podem permanecer conectados à Internet por mais tempo, mesmo e principalmente quando o LTE estiver envolvido. E devido ao seu tamanho e saída térmica, eles podem ser colocados em formulários muito portáteis, como telefones e tablets.

Obviamente, Intel e AMD têm a vantagem no que diz respeito à energia bruta, especialmente quando combinadas com processadores gráficos projetados especificamente para computadores x86. Mas os casos de uso em que esse poder é necessário está se tornando mais nicho do que comum.

Enquanto todo mundo gostaria de poder carregar o equivalente a um supercomputador em todos os lugares, as leis da física e Moore, infelizmente, limitam o quanto você pode realmente encolher dentro de um pequeno pedaço de silício. Para a maioria das outras necessidades de computação, o poder na maioria dos smartphones de ponta é quase mais do que suficiente.

√Č um mundo m√≥vel conectado

Atualmente, o caso de uso geral para a maioria dos PCs, desktops e laptops, gira principalmente em torno da web e dos aplicativos. Mais do que as ferramentas utilizadas, o que muda constantemente √© a natureza do nosso trabalho e suas localiza√ß√Ķes. Mesmo o trabalho regular de escrit√≥rio requer a Internet, mas muitas vezes n√£o possui tanto poder de processamento ou mem√≥ria. Alguns escrit√≥rios come√ßaram a adotar o estilo de vida remoto e m√≥vel do trabalho.

Mas, mesmo nos casos em que o computador est√° apenas sentado em uma mesa, um computador baseado em ARM pode oferecer mais benef√≠cios que os computadores comuns. Beberia poder em vez de engolir, usando apenas o necess√°rio. Para os usos mais b√°sicos da computa√ß√£o, seria ainda mais econ√īmico, pois os computadores baseados em ARM costumam ser mais baratos que os da Intel.

Vivemos em um mundo cada vez mais conectado, onde conectividade e √†s vezes mobilidade se tornaram requisitos essenciais para a realiza√ß√£o do trabalho. O ARM se destaca em ambos os pontos, oferecendo at√© poder de processamento para competir com computadores de dois anos atr√°s. E para aqueles que exigem mais energia para processamento de n√ļmeros, jogos, renderiza√ß√£o e outros, empresas como Intel e AMD ter√£o prazer em atend√™-los.

Nova geração de computação

‚ÄúVoc√™ nunca pode fazer um trabalho real com um tablet‚ÄĚ era a frase frequentemente usada nos primeiros usu√°rios do iPad Pro. Esses usu√°rios e a Apple provaram que est√£o errados e hoje o acampamento da Apple est√° aguardando com entusiasmo a chegada do iPadOS. Voc√™ pode realizar trabalhos em tablets e at√© em telefones. Realmente, tudo se resume ao software que permite que voc√™ fa√ßa seu trabalho.

As críticas contra o trabalho em computadores móveis giraram principalmente em torno da falta de software familiar nessas plataformas. Em alguns casos, surgiram alternativas, mas ainda existem dezenas, senão centenas, de outros softwares indisponíveis no iOS e Android. E é aí que o Windows no ARM pode entrar.

Imagine poder fazer quase tudo o que você faz em um desktop ou laptop em algo tão fino e móvel quanto um iPad Pro? O Surface Pro chega mais perto desse sonho, mas ainda é retido não pelas portas, mas pelos requisitos e consequências dos processadores x86. No Surface pode durar mais que um iPad ou até um smartphone com a duração da bateria, especialmente se você tentar se manter conectado o tempo todo.

A jornada está apenas começando

N√£o √© um caminho f√°cil para atingir esse ideal, pois a pr√≥pria Microsoft dir√° a quem quiser ouvir. Mas √© uma jornada que deve ser tomada se quiser que o Windows ainda seja relevante para a pr√≥xima gera√ß√£o de usu√°rios de computador que n√£o ser√£o conectados a mesas ou conex√Ķes Ethernet.

Ainda há muito trabalho a ser feito para que o software funcione sem problemas nesse hardware. O Snapdragon 8cx parece promissor, mas os benchmarks não contam toda a história ao rodar em cenários do mundo real. Há também a questão de oferecer suporte a aplicativos x86 no ARM. A Microsoft encontra uma maneira aceitável de executá-los em uma plataforma diferente ou, melhor ainda, influencia os desenvolvedores a criar para o ARM.

√Č um problema de galinha e ovo, no entanto, e a Microsoft ter√° que mostrar um comprometimento melhor do que com a UWP. As recompensas em potencial, no entanto, podem colocar a Microsoft de volta no mapa e fornecer aos usu√°rios menos motivos para querer um iPad ou mesmo um Chromebook.

0 Shares