A ESA testou um novo motor de íons e pode mudar muito no futuro

EU’Agência Espacial Europeia (ESA) criou o primeiro propulsor do mundo que deve permitir que os satélites permaneçam em órbita por mais anos do que podem atualmente. O segredo ? O propulsor funciona usando partículas de ar na atmosfera.

Outros tentaram melhorar a vida útil dos satélites antes, mas a maioria ainda está limitada pela quantidade de combustível que podem transportar. O novo propulsor de íons “respira” partículas raras de ar na atmosfera superior, permitindo que os satélites permaneçam em órbita sem a necessidade imediata de reabastecimento.

Salve a terra

Uma nova geração de propulsores movidos a ar

Melhores sistemas de propulsão são fundamentais para o avanço de nossas capacidades espaciais, e um dos tipos mais promissores é a propulsão iônica. Um propulsor de íons “ioniza” um propulsor, na maioria das vezes o xenônio, adicionando elétrons a ele ou removendo elétrons. Isso cria um impulso que pode posicionar um satélite em órbita ou impulsionar uma espaçonave, por exemplo. Os propulsores de íons são muito mais limpos, mais seguros e mais eficientes em termos de combustível do que os motores de foguete padrão. No entanto, eles ainda são limitados pela quantidade de propelentes que seu tanque pode transportar.

Cientistas da Agência Espacial Europeia, da empresa polonesa QuinteScience e da empresa espacial italiana SITAEL esperam mudar isso. A equipe testou com sucesso um propulsor de íons que usa um método conhecido como propulsão elétrica por respiração de ar (ABEP), ou propulsão elétrica RAM. Isso significa que ele literalmente é executado no ar.

Embora ABEP não seja um conceito novo, o protótipo ASE é o primeiro de seu tipo. Ele funciona sugando moléculas de ar do topo da atmosfera da Terra. Então dá a essas moléculas uma carga elétrica e as acelera. Finalmente, ele ejeta as moléculas ionizadas no espaço. Essa ejeção de íons é o que causa o empuxo.

Uma maneira de viajar mais longe no espaço

Este propulsor de “respiração aérea” pode não ser tão poderoso quanto outros propulsores de íons em desenvolvimento, incluindo o X3 da NASA, mas o que falta em poder compensa em longevidade potencial. Como eles podem extrair combustível do ar, esses novos propulsores de íons podem estender nosso alcance no espaço. Uma nave poderia viajar de uma atmosfera para outra, “reabastecendo” em cada uma antes de continuar sua jornada. Em vez de causar arrasto, o ar se tornaria uma fonte de combustível.

Artigos Relacionados

Back to top button