3 perguntas: o Facebook quer que confiemos na nova moeda

Estreia da Libra Monumental no Facebook: Especialistas em Criptomoedas Pesam

Recentemente, o Facebook, Inc. (NASDAQ: FB) ganhou as manchetes com um novo e controverso anúncio: dentro de um ano, a gigante das mídias sociais lançará uma nova moeda digital chamada Libra. Por sua vez, é um desenvolvimento emocionante. Se o lançamento do Facebook ocorrer conforme o planejado, os consumidores poderão transferir dinheiro para qualquer pessoa – e comprar qualquer coisa, em qualquer lugar – tudo sem uma conta bancária ou cartão de crédito. Para os 1,7 bilhão de pessoas sem acesso bancário, Libra poderia ser a porta de entrada milagrosa para a economia global.

Mas, no fundo de um white paper da Libra.org, há indícios de armadilhas e conseqüências potencialmente traiçoeiras. Enquanto o Facebook e seus investidores estão tomando o champanhe, os defensores e reguladores de consumidores devem examinar se devem confiar no Facebook – fazendo essas três perguntas críticas.

[REITs]

O Facebook quer que confiemos na nova moeda. Vamos fazer essas três perguntas em vez disso.

No mês passado, o Facebook ganhou as manchetes com um novo e controverso anúncio: dentro de um ano, a gigante das mídias sociais lançará uma nova moeda digital chamada Libra. Por padrão, o Libra combina pagamentos eletrônicos amigáveis ​​(pense: PayPal) com a segurança de moedas blockchain, como Bitcoin. Se o lançamento do Facebook ocorrer conforme o planejado, os consumidores poderão transferir dinheiro para qualquer pessoa – e comprar qualquer coisa, em qualquer lugar – sem uma conta bancária ou cartão de crédito. Tudo que você precisa é de uma conta Libra e um telefone celular.

The Upside: Poder de compra instantâneo

Para os estimados 1,7 bilhão de pessoas que atualmente não têm acesso ao setor bancário, o Libra oferece uma porta de entrada para participar da economia global. Diferentemente das criptomoedas existentes, o Libra será lastreado por títulos estáveis, incluindo dólares, libras, euros e ienes, tornando-o um bom meio de troca. Isso permitirá que consumidores e comerciantes tenham certeza de que o poder de compra da Libra hoje será o mesmo no próximo mês e até no próximo ano.

A desvantagem: é o Facebook

Tudo isso parece promissor e até arrogante. Mas o histórico duvidoso de coleta de dados do Facebook tem céticos soando o alarme.

Enterrados no interior de um white paper do Libra.org, há indícios de problemas e armadilhas. Eles giram em torno do fato de que Libra cria um registro permanente de todas as transações financeiras realizadas com a moeda. Isso pode parecer inofensivo, mas imagine se cada nota de dólar em circulação carregasse um chip minúsculo registrado em todos os lugares em que esteve desde que foi impresso. Agora imagine que todos esses pequenos chips reportem-se à nuvem, onde os dados podem ser coletados e extraídos para obter informações.

Não é de admirar que os primeiros investidores em Libra e os membros da Libra Association que controlam a moeda ao lado do Facebook incluam os gigantes de pagamento PayPal, Visa e Mastercard.

Essas empresas querem que confiemos na nova moeda do Facebook. Mas deveríamos? Vamos fazer três perguntas:

Pergunta 1: O que impede o Facebook de emparelhar os dados financeiros do Libra com os perfis de mídia social do Facebook?

O Facebook está altamente motivado para fazer de Libra um sucesso. A coleta de dados detalhados de transações financeiras melhorará a precisão da segmentação de anúncios do Facebook e permitirá que a empresa permaneça competitiva contra insurgentes como a Amazon. Considere que a Amazon possui o funil de marketing de ponta a ponta; com dados de publicidade de um lado e dados de compra do outro, a Amazon representa uma séria ameaça ao duopólio do Facebook e do Google. A Amazon pode conectar os pontos entre o valor do anúncio gasto pelos profissionais de marketing e o valor gasto pelos consumidores na Amazon.com, onde a Amazon “é dona da caixa registradora”. Usando o aprendizado de máquina, os algoritmos da Amazon aproveitam esses dados para recomendar produtos e ajustar campanhas publicitárias em tempo real para maximizar a probabilidade de os consumidores comprarem e comprarem novamente.

O Facebook ṇo tem esse luxo. Ele precisa confiar em parcerias de terceiros para obter dados de transa̵̤es financeiras. Em seguida, ele tenta emparelhar esses dados com a publicidade online. Durante esse processo, o Facebook ṇo pode ter tanta certeza se esse an̼ncio, ou aquele, levou a uma compra Рe isso prejudica a capacidade da empresa de competir.

Para permanecer competitivo no mercado de anúncios digitais, o Facebook precisa ter acesso aos dados da transação e, se eles não puderem possuir a caixa registradora, a melhor alternativa é possuir o dinheiro.

O Facebook sabe que os consumidores desconfiam de fornecer mais dados, por isso anunciou a incorporação de uma subsidiária chamada Calibra, que atuará como a carteira digital do usuário. Em teoria, haverá um muro de separação entre as contas de mídia social do Facebook e as contas financeiras da Calibra, e esse muro será mantido por meio de acordos de privacidade com os consumidores, em vez de regulamentos bancários formais do governo. Mas mesmo os dados retirados de informações de identificação pessoal (PII) podem ser úteis na segmentação de anúncios, e todos os aplicativos digitais que usam Libra (incluindo as mídias sociais do Facebook e aplicativos de mensagens) poderão extrair transações para obter informações.

Pergunta 2: O que impede o Facebook de monopolizar pagamentos privados?

Se o Facebook conseguir, todos nós usaremos sua moeda transnacional além das fronteiras nacionais e substituíremos as estruturas bancárias e de crédito tradicionais. No entanto, existem ainda mais maneiras de o Facebook consolidar o poder. Os parceiros do Facebook na Libra Association criam uma potência de empresas de pagamento que podem rapidamente ganhar controle monopolista sobre o comércio eletrônico em uma série de sites e aplicativos importantes. No final, as empresas podem ser deixadas para jogar pelas regras do Facebook ou deixar de aceitar Libra, pura e simplesmente.

O Facebook já enfrentou duras investigações do Congresso sobre como controla o fluxo de notícias e informações e seu potencial para censurar o discurso. Artigos de opinião proeminentes no The New York Times e na Forbes deste ano pediram a dissolução e a regulamentação do Facebook. Uma vez que o fluxo de informações é controlado pela mesma empresa que controla o fluxo do comércio eletrônico, há pouco para impedir que seus algoritmos de notícias entreguem histórias positivas sobre parceiros financeiros e negativas sobre concorrentes, tudo para aumentar seu monopólio sobre os pagamentos.

Pergunta 3: As leis existentes que regulam a política monetária e garantem a proteção do consumidor se aplicam ao Libra?

A resposta curta? Agora não.

Governos soberanos usam moedas fiduciárias, como o dólar, para regular suas economias. Os bancos e instituições centrais, como o Federal Reserve, operam para manter o suprimento de dinheiro em níveis que garantam segurança financeira e estabilidade, evitando ameaças como a inflação. Se a Libra conseguir estender seu alcance a uma parte substancial dos 2 bilhões de clientes atuais do Facebook – ou aos 1,7 bilhão de pessoas sem banco no mundo todo – não é difícil imaginar que poder perturbador pode ter.

Nessa escala, a Associação Libra teria o poder de manipular a taxa de câmbio de Libra contra as principais moedas nacionais, dando-lhe poder político sobre os países soberanos. Poderia introduzir micro-impostos e até tarifas em certas transações. Fora do quadro comum de proteção ao consumidor, Libra estaria livre para favorecer certas transações e penalizar outras. Libra também pode oferecer aos maus atores um refúgio seguro para lavagem de dinheiro, sonegação de impostos, subversão de sanções e condução de tráfico ilícito, enquanto opera além do alcance dos governos eleitos democraticamente e de sua autoridade.

As respostas para essas três perguntas estão longe de serem óbvias e merecem consideração urgente por parte dos consumidores e reguladores. O momento de uma conversa séria sobre as consequências é agora. O Facebook anunciou sua intenção de lançar o Libra em 2020 e, até agora, a resposta para essas perguntas parece ser “Confie em nós”.


William Ammerman é vice-presidente executivo de mídia digital da Engaged Media Inc. e já ocupou cargos de liderança na Tribune Media, Hearst Television e Capitol Broadcasting. Ao longo de sua carreira, ele gerenciou publicidade digital para centenas de estações de televisão e seus sites, aplicativos móveis e plataformas conectadas. Ele é o autor de e escreve sobre marketing na era da IA ​​em MarketingandAI.com. Saiba mais em www.wammerman.com.

0 Shares